Sobre a "cirurgia de mudança de sexo"



Introdução | A cirurgia | Alternativas | Conclusão


Introdução

Esta é uma cirurgia com muitos nomes: "cirurgia de mudança de sexo", "cirurgia de confirmação de gênero", "cirurgia de redesignação de gênero"... mas o que permanece é o fato de ser a cirurgia mais invasiva, arriscada e cara que uma mulher trans deseja fazer, mesmo que não possa em dado momento por uma variedade de fatores. Eu por 1 ano participei de dois grupos privados do facebook como eu disse em um de meus primeiros artigos sobre mulheres trans, e portanto, obtive muitas informações úteis a respeito que toda mulher trans deve saber e estou as tornando públicas para não ficarem nas mãos de um grupo privado. Certamente que eu anonimizei os dados, selecionei apenas os pontos mais importantes, incluí o resultado de minha própria pesquisa e no futuro eu incluirei os dados de minha própria cirurgia. Agora, preste muita atenção.

A cirurgia

Muitos acham que esta cirurgia envolve "cortar fora" o pênis ou "piupiu" da pessoa, o que não é verdade. O topo do pênis e usado para construir um clitóris, a pele do restante é raspada e invertida objetivando remover os folículos capilares e em seguida esta é usada como o interior do canal vaginal artificial caso a técnica cirúrgica escolhida for a inversão peniana. Se os folículos permanecerem, ocorrerá incovenientes pêlos dentro da neo-vagina. A pele do saco escrotal é usada para criar a vulva externa; e se não for o suficiente terá de ser obtida a pele de outros lugares como o interior da coxa, o que pode ocasionar uma cicatriz leve no local da extração. Só o que não foi citado é jogado fora, mas as vezes é usado como material doado para a cirurgia de outras pessoas referente a outras coisas. O canal uretal é ajustado para a urina sair na mesma posição da de uma mulher. A chamada "inversão peniana" é a técnica mais barata e popular simplesmente por ter sido a primeira a ser desenvolvida por meio do sacrifício de muitas mulheres trans do passado.

Quando bem executada, as terminações nervosas são preservadas e você pode perfeitamente sentir prazer sexual no clitórios, vulva externa e neo vagina. Com ela, você não precisa mais intoxicar o seu corpo com anti-andróginos e reduzirá o consumo de estrogênio ao mínimo necessário para que os seus ossos não enfraqueçam por ausência de estrogênio. Sem a testosterona, esse pouco estrogênio teria o mesmo efeito de um quantidade maior e poderá modificar ainda mais o seu corpo antes do prazo de 5 anos de mudança encerrarem e as mudanças obtidas se estabilizarem. Algumas mulher trans lésbicas armazenam o esperma em caros bancos de esperma para ter descendentes posteriormente, mas existe sempre a opção da adoção se isso for realmente importante para você.

O que define se vai faltar pele ou não para a sua cirurgia? Simplesmente se a sua genitália masculina for "avantajada". Além disso, você deve ter um tamanho que seja o suficiente para compensar a atrofia que ocorrerá quando o seu corpo passar a usar primariamente o estrogênio e não mais a testosterona. Mesmo o organismo feminino possui um pouco de testosterona, inclusive algumas mulheres o ingerem para aumentar a libido. Outro detalhe é a lubrificação do canal vaginal: O tecido usado na "inversão peniana" não permite isso como em uma mulher biológica e será necessário recorrer a produtos para manter a lubrificação daquele lugar regularmente. O site do Transgender center para o "vender o seu peixe" alega que mulheres também usam lubrificantes, mas não dizem que não na frequência que uma mulher trans precisa. Outro detalhe importante é: Se a sua disforia tiver sido tão grande, e o seu auto-controle tão pouco a ponto de você ter cortado o seu "passarinho" fora, a sua cirurgia ficará incompleta ou mesma se tornará impossível.

Existem variantes desta cirurgia dependendo do cirurgião, seja na execução estética, técnica e obtenção de alguns tecidos:

Os problemas que podem advir de uma cirurgia deste tipo dependendo da técnica escolhida seriam:

Pela descrição já deu para entender que o processo de recuperação é longo e relativamente doloroso. A pessoa fica quase um mês em uma cama, com um tubo inserido em sua uretra redirecionada além das outras coisas acima citadas. Em seguida a pessoa passa mais dois meses podendo se mexer mas ainda sem estar livre de visitar ao hospital. Eventualmente ela pode ir para a casa, mas problemas ainda podem ocorrer por um período total de um ano como em qualquer cirurgia: No caso desta cirurgia é comum os pontos cirurgicos se romperem e ser necessario costurar tudo novamente... cada técnica possui as suas vantagens e desvantagens. Iniciamente a aparência sempre é grotesca, mas se bem feita, quando cicatrizado a aparência atinge o que se esperava.

Cada cirurgião tem a sua estética para a vulva externa, e para alguns, o resultado é péssimo; no geral você pode ao menos dizer o que você espera e ele pode se ajustar até certo ponto. Eu recomendo que você consulte aquela arte do passado em que um artista chamado Jamie Mc Cartney efetuou moldes de gesso dos mais variados tipos de vulva, tirou fotos do resultado e criando uma galeria. Pegue a foto que mais gostou e mostre ao seu cirurgião. Algumas vulvas são mais delicadas, lembrando a de uma mulher criança, outras tem uma aparência considerada mais adulta; mas todas foram tiradas de mulheres adultas, por isso a escolha depende do seu gosto pessoal e ninguém pode julgar. A idéia do artista era a de mostrar que existem infinitos tipos de vulva, e que uma mulher não deveria ter vergonha da sua. Uma mulher biológica não pode escolher, mas uma mulher trans sim, e o engraçado é que muitas escolhem bastante como querem que a sua se pareça e não raramente recorrem a vários "retoques" cirurgicos na estética desta posteriormente.

A tendência é a de por mais que o cirurgião tenha estudado a respeito, de que este cometa erros em suas primeiras cirurgias (as cobaias). O que define se o cirurgião é ruim seria o seu atendimento em si, os seus erros iniciais serem graves, ele cobrar para corrigir os erros, a persistência nos erros como se não aprendesse nada com o tempo e obviamente um ambiente hospitalar e enfermeiras de baixa qualidade. De qualquer forma, evite ser uma destas primeiras "cobaias". Peça fotos de cirurgias já efetuadas se ele já não as apresentar por iniciativa própria, e se ele der muitos detalhes técnicos coerentes das características da paciente e como conduziu o procedimento, isso é um bom sinal. Priorize fazer a cirurgia de forma privada, pois pelo sistema único de saúde (SUS) você pode justamente acabar sendo uma das primeiras "cobaias", demora muito, o cirurgião pode ser simplesmente ruim e de qualquer forma você não vai ter a escolha da técnica ou aparência final. Saiba também diferenciar aqueles cirurgiões que apenas sabem corrigir uma cirurgia mau feita, aqueles que sabem fazer a cirurgia mas não sabem corrigir problemas eventuais e aqueles que podem fazer ambos (preferível).

Na ausência de dados de grupos privados de redes sociais que podem ser problematicos (estressantes) de se obter, peça sugestões de cirurgiões para outras mulheres trans, do seu psicólogo, endocrinologista, e se houver, do centro local para pessoas trans. Por sinal, este é um ótimo jeito de saber se o seu médico realmente se preocupa com você a ponto de ao menos tentar obter os dados, mesmo que ultimamente falhe por não ter uma rede de contatos profissionais grande o suficiente. Pesquise por si mesma na internet em forums e sites que disponibilizem dados públicos, artigos jornalisticos que citem bons profissionais e cruze esses dados com o que obtiver acima. A Tailândia é referência neste tipo de cirurgia por questões culturais, lá ser trans não é considerado vergonhoso; mas infelizmente por ser um país pobre muitas acabam sobrevivendo vendendo os seus corpos. Isso torna mais frequente a existência de bons cirurgiões a preços mais baratos, mas também uma quantidade maior de "açougueiros". Alguns exemplos famosos de lá são Suporn, Kamol e Thep, porém Thep não possui licença oficial para operar. Em menor quantidade, existem cirurgiões pelo mundo todo, inclusive no Brasil e países vizinhos; mas o problema do Brasil é que a maiorio destes poucos atende apenas pelos SUS, e os que sobram em sua grande maioria possuem um atendimento ruim ou são pouco conhecidos. Consulte a área de avaliações de meu blog para a avaliação de médicos e clínicas.

Um detalhe importante e que por melhor médico que seja, depende do organismo de cada uma, e o que funcionar para uma pode não funcionar para outra; mas fazendo uma pesquisa extensiva, o seu "dever de casa", você ao menos reduz as chances de algo dar errado. O corpo e seu afinal. Recentemente foi desenvolvido no ceará uma metodologia que envolve o uso de pele de tilápia para agilizar a cicatrização de queimaduras ou cirurgias no geral, e logo surgiram os primeiros cirurgiões voltado ao público trans a aplicar isso. Eu recomendo que se for fazer pelo SUS, que prefira aqueles que fazem uso desta nova técnica para uma recuperação mais rápida e eficaz.

Alternativas

A função de uma vagina em uma mulher biológica simplesmente é a de receber um pênis e servir de caminho para o útero, e portanto, para que bebês sejam gerados. Por ela também sai através da mestruação todo mês o material que não pode virar um novo bebê. Por isso que a natureza fez o sexo ser extremamente prazeiroso, e induz os seres vivos por meio de hormônios a o fazer para que a roda da vida continue girando; mesmo que isso gere todo o tipo de crueldade sexual proveniente daqueles de índole mais maligna. A maioria das mulheres biológicas tem o mesmo apetite sexual dos homens, mas devido a questões como a cultura de uma sociedade patriarcal, risco de gravidez e talvez um pouco pela diferença hormonal entre estrogênio e testosterona elas podem aparentar ter menor interesse. Curiosamente, as mulheres trans estão dentre as pessoas com o maior apetite sexual que já vi, o que acaba levando a generalizações negativas sobre nós quando nem todas somos desse jeito. Eu não sou.

Se você for como eu e tiver uma orientação sexual nula, chamada de "assexual", um interesse pequeno ou inexiste para sexo seja por também se identificar como uma pessoa "transhumana" ou "transespécie" ou meramente pelos efeitos da troca de testosterona pelo estrogênio terem tirado isso de você e você não se importar, isso pode significar que a sua cirurgia pode não precisar de uma vagina artificial. Ao decidir não ter uma vagina, você reduz em muito os custos, riscos, sofrimento e tempo de recuperação desta cirurgia e simultaneamente aumenta o leque de cirurgiões que poderão fazer esta cirurgia para você. Você ainda terá a vulva externa e sentirá algum prazer proveniente do clitóris e dos pequenos e grandes lábios. O que seria um pesadelo para muitas mulheres trans ou não, talvez para você baste. O sexo realmente é o mais importante para você do que apenas se livrar de uma genitália masculina? Por sinal, se for, você não seria uma mulher trans, exceto se desejar ao menos os dois igualmente. Só existe um detalhe: Você não pode se arrepender deste curso de ação, que não tem volta.

Existe outra alternativa para mulheres trans que estão tendo problemas com a terapia hormonal ou que não possuem dinheiro para a cirurgia completa: Uma orquectomia bilateral que deixe intacto o tecido escrotal, cirurgia esta geralmente apenas feita por quem também faz a vaginoplastia completa. Sob hipótese alguma o tecido escrotal pode ser danificado, sob o risco de prejudicar a sua futura vaginoplastia. Se você for alguém não binário (não o público deste artigo), pelo que eu entendi pode efetuar a chamada orquiectomia mantendo ou não parte dos testículos. "Ué, mas uma orquiectomia não remove os testículos?", nem sempre. Existem várias técnicas, e enquanto algumas removem tudo outras removem só áreas relevantes. A cirurgia pode afetar a sua capacidade de ereção porém.

Conclusão

Lembre-se, se uma escolha errada não tirar a sua vida, ao menos esta irá a arruinar.



Última atualização: 2022/02/13